Portador de DST pode fazer tratamento de fertilização in vitro sem prejudicar o bebê?

Para casais com DST´s, a possibilidade de ter um filho sem nenhum contágio vem se tornando mais real.
O tratamento vai depender muito.
Para o casal planejar o filho, a consulta prévia pelo médico infectologista é essencial. O envio de um relatório ao médico ginecologista da clínica de reprodução humana ajudará o médico a determinar qual tratamento prosseguir.
DST´s como hpv, gonorréia, sífilis, cancro mole e linfogranuloma venéreo, com o desenvolvimento dos medicamentos, passaram a ser facilmente controladas desde que diagnosticadas com antecedência.
As  mulheres devem receber uma atenção especial. As DST´s desenvolvem sintomas que podem levar um tempo para se tornarem perceptíveis ou confundem-se com reações normais do organismo. Por isso que a necessidade de um bom acompanhamento ginecológico a cada 6 meses e um bom pré-natal são essenciais na vida das mulheres. Se não diagnosticadas e tratadas, pode ocorrer transmissão vertical dessas doenças, ou seja, a transmissão de doenças de mãe para filho durante a gravidez, parto ou amamentação.
Já em infecções como a Hepatite B, HIV e HTLV, que se tornaram epidêmicas e é um grande problema de saúde pública, a possibilidade de gerar um filho depende da situação em que o casal se encontra:
Situações:
– Na primeira situação temos o homem infectado e mulher não, que é a situação mais freqüente em reprodução humana. Não existe contra-indicação para a gestação por se tratar de uma mulher sadia, o que devemos
estabelecer são os critérios laboratoriais para preparo e forma de utilização do sêmen do homem infectado.
Procedimento:
Será realizada a coleta do sêmen para a Purificação Seminal. Este procedimento consiste na lavagens sucessivas deste sêmen através de técnicas especializadas.
O vírus do HIV e HTLV não se ligam a células como os espermatozóides, se ocorrer a presença do vírus no ejaculado, estará no líquido seminal em outras células. Por isso que com as lavagens neste caso se obtém 95% de sucesso de retirada do vírus da amostra.
As técnicas de lavagem seminal parecem não impedir a contaminação do concepto no caso da Hepatite B, tendo em vista a detecção por alguns autores de seqüências virais integradas aos cromossomos de espermatozóides.
Após todo esse processo serão separadas duas partes da amostra final, uma que vai para a análise genética (PCR) para verificação da presença do vírus na amostra e outra congelada para a ultilização no tratamento de FIV/ICSI. Após o resultado do PCR essa amostra será descartada se positivo ou mantida congelada se negativa.  A transmissão do vírus com sêmen preparado é muito baixa.
– Uma segunda situação seria o casal infectado. O que definirá a realização ou não do procedimento é o estado clínico da mulher e a presença de soro-discordância com um dos parceiros.
Ex: Se tivermos infecção apenas pelo HIV e carga viral é baixa em ambos os parceiros, há a possibilidade de gravidez por técnicas de reprodução assistida, sem aferir o bêbe. Hoje existe o tratamento retro-viral (TARV) durante a gravidez para que não ocorra transmissão vertical.
– Na terceira situação em que a mulher é infectada e o homem não. A condição clínica materna é um fator limitante.  Algumas DST´s podem causar inflamação na pelve, por isso as taxas de dano tubário nessas pacientes são maiores do que a população em geral. O que definirá a realização ou não do procedimento é o estado clínico da mulher. Os tratamentos de reprodução humana permitem a gestação e sem risco para o parceiro.
Durante a gravidez, a mulher deve continuar com a medicação de tratamento da doença.  O parto deverá ser por cesariana, sem rompimento da bolsa. 
Não existem muitos estudos determinando se as infecções por DST´s causam algum efeito na indução ovariana, maturação oocitária e funcionalidade hormonal na hora dos tratamentos de fertilização in vitro. Os estudos ainda são controversos.


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s