No que a morfologia oocitária interfere nos casos de ICSI?

Os procedimentos de alta complexidade, como FIV e ICSI podem dar a oportunidade de formação de diversos embriões através da chamada indução ovariana (protocolos de indução), criando a possibilidade de escolha morfológica, ou seja pela aparência do melhor embrião para transferência.

figura demaepramae.pt

Diversos trabalhos correlacionam positivamente a morfologia do oócito MII (maduros ou seja aptos FIV ou ICSI) com o desenvolvimento embrionário e as taxas de gravidez. Sendo assim a morfologia alterada de um oócito está correlacionada com baixas taxas de implantação, apesar desses oócitos formarem embriões de boa qualidade morfológica.

Algumas alterações morfológicas são:


As causas destas anormalidades são diversas e não são muito bem conhecidas.

Como dito anteriormente a indução ovariana estimula diversos folículos a crescerem e se tornarem maduros (oócito MII figura abaixo) através de doses maiores de medicações, e essa hiperestimulação pode acarretar nessas alterações oócitárias.

Os dias que se seguem de indução ovariana, durante uma estimulação para um ciclo de fertilização in vitro dependerá do tamanho dos folículos estimulados. Portanto os que cresceram muito rápido ficarão “esperando” os pequenos crescerem. Nestes oócitos observa-se fragmentação do corpúsculo polar (cp) e espaço perivitelínico aumentado, ou seja oócitos com envelhecimento intrafolicular (oócitos maturam dentro dos folículos)

A idade da mulher também pode acarretar em algumas alterações, como na zona pelúcida (zp-proteção do oócito). Paciente de SOP (Sindrome dos Ovários Policísticos) podem ter alterações não só morfologicas, como nucleares. Um importante dado é que anormalidades cromossômicas estão relacionadas com a morfologia oocitária.

É  mais freqüente observar alterações como granulação. Oócitos com granulação leve, é sinal de atividade citoplasmática (ct), isso é um bom sinal.

Figura site www.unifesp.br/grupos/rhumana/ivficsi

Embriões com fragmentação aumentada ou seja grau C e D ou 3 e 4 está relacionado a falha de implantação por possivelmente atrapalhar na hora de localizar a região que se liga ao endométrio do útero.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s