Aplicação da Medicação para Estimulação Ovariana – Caneta Gonal-F

crianca-segurando-ursinho-de-pelucia-55431Os procedimentos de reprodução humana assistida na maioria ou em quase 100% das vezes são acompanhados da Estimulação Ovariana Controla.

Esse processo imita a indução natural do ciclo menstrual da mulher, mas com o objetivo de adquirir mais folículos ou seja mais oócitos maduros (óvulos), afim de que o sucesso da gravidez seja alcançado.

Para as estimulações ovarianas, são necessárias medicações utilizando FSH e LH para que o crescimento dos folículos seja completo.

A quantidade  de medicação, pode variar com a idade e o perfil da paciente. As enfermeiras e os médicos são responsáveis em orientar sobre  a aplicação das medicações e como se deve proceder.

A quantidade será sempre expressa em Unidades Internacionais (UI).

Aplicação de Gonal F (r-hFSH):

A caneta tem uma escala  com confirmação visual que permite saber a dose precisa, reduzindo a chance de erros de dosagem. Os efeitos colaterais podem incluir dor de cabeça e dor abdominal. O armazenamento deve ser feito em geladeira de 2º a 8º Celsius. Não congelar a medicação. Não se deve tomar doses duplas para compensar possíveis doses perdidas, deve-se sempre questionar o médico especialista para a melhor indicação.

Gonal-F Pen

Caneta azul CLARO são pré-abastecidas para entregar um total de 300UI

Caneta azul ESCURO são pré-abastecidos para entrega um total de  450UI

Caneta VERMELHA são pré-abastecidas para entregar um total de 900UI

 

Caneta Demonstrativo

1.) Tampa Caneta Externa

2.) Capa Externa Agulha de Aplicação

3.) Lacre de Segurança da Capa Externa

4.) Capa Interna da Agulha

5.) Agulha da Seringa Removível

6.) Ponta para Rosquear a Agulha

7.) Suporte do Reservatório

8.) Êmbolo do Pistão

9.) Seta de Dosagem

10.) Controle de Dosagem a ser selecionada (Números Pretos)

11.) Controle da Aplicação da Dosagem (Linhas Vermelhas, Medidas)

12.) Gatilho (Botão  para Injeção)

Esquematização (Demonstrativo):

Para iniciar, lave bem as mãos,  retire a tampa da caneta (1) e limpe a ponta rosqueada (6) com algodão embebido em álcool.

Pegue um único conjunto (2, 3, 4 e 5) que é a agulha de injeção, retire o lacre de segurança da Capa Externa (3). Rosqueie a Agulha (conjunto 2, 4 e 5) na ponta rosqueada (6), girando no sentido horário até que esteja bem fixada.

Método caneta 1

A CANETA DEVE SER TESTADA ANTES DO USO, SOMENTE NA PRIMEIRA UTILIZAÇÃO (processo cuidadoso, verificar com a enfermagem da clínica, as orientações que devem ser seguidas). 

Ajuste a dosagem pré-determinada pelo seu médico.  Gire a escala preta (10). A dosagem escolhida deve estar alinhada com a seta preta indicadora (9). Após a posição da dose estar correta, puxar o gatilho (12). Atenção, uma vez que o gatilho for puxado a dose não poderá ser mudada para aquela aplicação. Após puxar o gatilho a dose poderá ser confirmada novamente através das linhas vermelha (11) que aparece no gatilho (12). O gatilho deverá ser puxado até o final, isso determinará a dosagem dentro da caneta.

Verificar se os Itens (9), (10) e (11) estão alinhados.

Método caneta 2

Se for utilizada a mesma dose nos dias seguintes,  a caneta poderá ser deixada na mesma posição para a injeção seguinte.


Para a aplicação, escolher o local da injeção de acordo com a orientação do médico. Limpe o local escolhido com algodão embebido em álcool. Retire a capa externa da agulha (2) e a capa interna da agulha (4), Insira a agulha na pele em um ângulo de 90º e pressione completamente o gatilho (12), mantendo pressionado por uns 10 segundos, isto assegura que a dose completa foi injetada. As linhas vermelhas (11) devem desaparecer, isto garante que a dose foi inserida inteiramente.

Método caneta 3

Uma agulha (conjunto 2,3,4 e 5) para cada aplicação (dia). Para retirar a agulha segure o suporte do reservatório (7) firmemente, recoloque a capa externa da agulha de aplicação (2) cuidadosamente.  Desconectar a agulha, girando-a no sentido anti-horário. Recolocar a tampa da caneta externa (1).

A próxima dosagem será no dia seguinte, o ideal é fazer uma tabelinha para acompanhar as aplicação e as dosagens dia a dia. Bom tratamento!!!

 

Anúncios

Novo medicamento para Reprodução Assistida é lançado no Brasil afim de melhorar a ansiedade e o estresse das injeções, podendo beneficiar algumas mulheres

nova injeção brasilComeça a chegar às clínicas brasileiras de reprodução assistida um novo medicamento que pretende tornar o tratamento menos sofrido para as mulheres. A substância alfacorifolitropina, batizada comercialmente de Elonva, diminui o número de injeções necessárias para a fase de estimulação dos ovários.

No processo de reprodução assistida, as mulheres que estão tentando engravidar precisam receber um medicamento que contribui para o desenvolvimento dos folículos ovarianos. Cada folículo libera um óvulo, com o qual os médicos posteriormente farão a fertilização. O medicamento mais utilizado atualmente, à base do FSH (hormônio folículo-estimulante), é eficiente, mas pressupõe que a paciente tome injeções diárias no período de 7 a 10 dias. Durante esse período, os responsáveis pelo tratamento acompanham o desenvolvimento dos folículos.

O novo medicamento também é à base de FSH, mas apenas uma aplicação substitui as sete primeiras injeções diárias da terapia padrão, o que diminui o desconforto das mulheres. Pesquisas clínicas mostraram que a chance de engravidar a partir desse tratamento é semelhante àquele com doses diárias. Porém, segundo os médicos, nem todas as pacientes poderão se beneficiar.

De acordo com Jorge Haddad Filho, Coordenador do Programa de Reprodução Assistida da Unifesp, a dose única pode resultar em hiperestímulo ovariano – quando o corpo responde de maneira exagerada ao estímulo hormonal. No caso das doses diárias, é mais fácil manter o controle sobre essa reação. Quando ela aparece, geralmente é preciso cancelar o ciclo.

Mas dá para prever quem terá hiperestímulo? “Se a mulher responde de modo moderado ou fraco ao tratamento comum pode usar o novo remédio. Se o médico já acompanhou um ciclo e sabe como o ovário está funcionando também é mais fácil prever. Mas para mulheres jovens, magras ou com ovário policístico eu não daria nunca [o novo medicamento]”, afirma Haddad. Isso porque esses três casos estão no grupo de risco para uma resposta mais acentuada à essa medicação. Ainda assim, no tratamento usual (com doses diárias) elas também precisam ser acompanhadas mais de perto.

Para Thais Domingues, médica especialista em reprodução assistida da Huntington Medicina Reprodutiva, o Elonva tem a vantagem de diminuir o estresse das pacientes. “Há descontinuidade do tratamento de até 30% das mulheres por causa das aplicações diárias”, diz. Mesmo com a promessa de resolver essa questão, ainda não dá para saber até que ponto ele substituirá a técnica anterior. Segundo Thais, as novas injeções começaram a ser disponibilizadas há cerca de duas semanas para os laboratórios e poucas pacientes tiveram acesso a elas. O novo tratamento não é mais caro que o tradicional e seu preço varia de R$ 1.850 a R$ 2.800.

Fonte Revista Crescer

Nova Droga Testada Contra o Câncer é Menos Tóxico Para a Fertilidade Feminina

menina-com-cancerCientistas da Northwestern Medicine, nos EUA, desenvolveram um novo medicamento quimioterápico na forma de nanopartículas que é menos tóxico para a fertilidade de uma mulher jovem, mas mais eficaz no combate ao câncer.

“Nosso principal objetivo é criar drogas inteligentes que matam o câncer, mas não causam esterilidade em mulheres jovens”, afirma a co-investigadora Teresa Woodruff.

Segundo os pesquisadores, esta é a primeira droga anticâncer testada, enquanto em desenvolvimento, para seu efeito sobre a fertilidade utilizando um novo teste in vitro.

Ilustração Fellipe Ernesto

A equipe, liderada por Richard Ahn, concebeu um novo ensaio in vitro rápido que prediz a toxicidade de um medicamento de quimioterapia para a fertilidade e pode ser facilmente usado para testar outros medicamentos contra o câncer em desenvolvimento, bem como os já existentes. Atualmente, o teste da toxicidade de drogas contra o câncer sobre a fertilidade é um processo que custa tempo e recursos.

Os cientistas esperam que a integração do desenvolvimento de medicamentos e testes de toxicidade reprodutiva seja o início de uma nova era em que as drogas da quimioterapia são desenvolvidas com um olho em seu fertotoxity (toxicidade sobre a fertilidade). Conforme as taxas de sobrevivência do câncer aumentam, o efeito dos tratamentos sobre a fertilidade é criticamente importante para muitos pacientes jovens.

A pesquisa foi publicada na revista PLoS ONE.

Cavalo de Tróia

O medicamento de quimioterapia, trióxido de arsênico, é embalado em um ‘ cavalo de Tróia’ muito pequeno, que consiste de nanopartículas de arsênico densamente cristalizadas e encapsuladas em uma bolha de gordura. A bolha de gordura, lipossoma, disfarça a carga mortal de meio milhão de moléculas da droga.

Woman taking medication“É preciso atingir o tumor de forma violenta com uma dose significativa de arsênio, mas ao mesmo tempo, evitar a exposição do tecido normal ao fármaco. A bolha de gordura é muito menor que a célula humana média. É o tamanho perfeito para escorregar através de buracos nos vasos sanguíneos com vazamento que rapidamente crescem para alimentar os tumores. O ambiente local do tumor é ligeiramente ácido, é iste que faz com que as nanopartículas liberem a carga de droga e entreguem uma dose altamente eficaz do arsênio, onde ele é necessário.

De acordo com os cientistas, esta abordagem para embalagem e entrega do fármaco ativo tem o efeito desejado sobre as células tumorais, mas evita danos ao tecido do ovário, folículos ou ovos.

Embora a droga seja suave sobre a fertilidade, é feroz sobre o câncer. Quando testada contra o linfoma, foi mais potente do que o fármaco na sua forma livre tradicional.

“A droga foi projetada para maximizar sua eficácia, mas reduzir fertotoxicity. Muitos medicamentos contra o câncer causam esterilidade, por isso o trato reprodutivo é realmente importante nas novas etapas de concepção de medicamentos. Outros sistemas do corpo ficam melhor quando as pessoas param de tomar a droga, mas a fertilidade você não pode recuperar”, afirmam os autores.

Trióxido de arsênico foi aprovado há alguns anos para o tratamento de alguns tipos de cânceres do sangue, como leucemia em humanos, mas a equipe acredita que as nanopartículas de trióxido de arsênico podem ser usadas contra o câncer de mama e outros tumores sólidos.

Close up of infant on bedEm uma pesquisa pré-clínica publicada anteriormente, nanopartículas foram eficazes na redução do crescimento do tumor em câncer de mama triplo-negativo, que muitas vezes não responde bem à quimioterapia tradicional e tem uma taxa baixa de sobrevida.

Teste Rápido para a fertotoxicity

Woodruff foi capaz de mostrar os primeiros efeitos da droga sobre a fertilidade, usando uma cultura in vitro de folículo e um teste rápido e simples que ela desenvolveu.

Ela comparou a fertotoxicity da nanopartícula e da droga livre e descobriu que a nanopartícula foi muito menos tóxica para a fertilidade feminina do que a droga livre no modelo experimental.

“O sistema pode ser adaptado facilmente para qualquer droga contra o câncer em desenvolvimento. Conforme essa nova droga avança em desenvolvimento, podemos dizer que esta é uma boa droga para jovens pacientes do sexo feminino com câncer que estão preocupadas com a fertilidade”, conclui Woodruff

Isaude.net